Você está navegando em
11 de fevereiro de 2020
Laborclin

Lactol 50g, Teste de Intolerância à Lactose.

<?php the_title(); ?>

A Laborclin, apresenta mais essa solução para ajudar a detectar intolerantes à lactose, o Lactol 50g. Solução de Lactose aromatizada, para Teste de Tolerância Oral à Lactose.

Cada garrafa contém 50g de lactose de pureza farmacêutica dissolvidos em 300 mL de água contendo sabor limão.

Você sabe o que é Lactose?

A lactose é o principal açúcar presente no leite de mamíferos. É um dissacarídeo que com a ação da enzima lactase, transforma-se em dois monosacarídeos: glucose e galactose. Estes carboidratos simples, após formados, são facilmente absorvidos pelo corpo.

No entanto, a falta ou deficiência na produção da lactase faz com que a lactose chegue até o intestino delgado sem ser absorvida pelo organismo. A intolerância à lactose é o tipo mais comum de má absorção de carboidratos, sendo causada pela deficiência da enzima lactase. Esta enzima tem sua maior atividade em recém-nascidos, sendo observada a perda desta atividade ao passar dos anos. A prevalência e a idade de manifestação da intolerância à lactose variam, consideravelmente, conforme o grupo étnico.

Na Europa, por exemplo, sua prevalência vai de 4% na Dinamarca, 56% na Itália e Irlanda, chegando a 60 a 100% em populações asiáticas e afro-americanas. Também é observada a existência da deficiência secundária da lactase, causada por patologias que provocam lesão e atrofia de vilosidades na mucosa do intestino delgado, como doença celíaca, doença de Crohn de intestino delgado e infecções intestinais. Ou também, sendo mais rara, a hipolactasia primária ou congênita, doença genética, autossômica recessiva, que se manifesta desde o nascimento com diarréia importante e acidose metabólica. A intolerância é diferente da alergia à lactose.

No caso da alergia há uma reação do sistema de defesa do organismo às proteínas do leite (ex: caseína, alfa-lactoalbumina, beta-lactoglobulina) e não está relacionado à ação da enzima lactase. O leite é uma das principais fontes alimentares do ser humano, sendo este o único mamífero que não o abandona na fase adulta. A falta, parcial ou total da enzima lactase, faz com que esse carboidrato não seja metabolizado e absorvido, com consequente acúmulo na luz intestinal.

Este acúmulo promove um efeito osmótico, resultando no aumento local da água, aceleração secundária do trânsito e fezes amolecidas. A lactose não digerida chega ao cólon, é fermentada pelas bactérias aeróbicas, com formação de gases H2, CH4 e CO2 e de ácidos graxos de cadeia curta. Quando a capacidade de reabsorção é ultrapassada, há formação de flatulências e diarréia. As manifestações clínicas dependem, portanto, da quantidade de lactose ingerida. Nota-se, assim, que o indivíduo pode ter má absorção de lactose sem as crises e que estas, quando presentes, indicam a intolerância. Os sintomas clássicos são caracterizados por distensão abdominal, borborigmo, flatulência, fezes amolecidas e ácidas, diarréias líquidas, vômitos, dor abdominal ou até constipação.

Uma vez diagnosticada a intolerância, é possível instituir um tratamento clínico que visa substituir os produtos lácteos por outros isentos de lactose (como leite de soja, por exemplo). Inicialmente, deve ser retirado todo o leite para controle dos sintomas, com sua reintrodução gradual só após a melhora do quadro, até a quantidade que o paciente tolere. O diagnóstico pode ser realizado pela dosagem de lactase na mucosa duodenal (coletado em endoscopia). Este método tem sensibilidade de 95% e especificidade de 100%, porém é um exame invasivo. É possível medir o H2 no ar expirado após a sobrecarga oral, pois, pela fermentação da lactose pelas bactérias colônicas, há produção de H2, que é absorvido no intestino e parcialmente eliminado pelos pulmões.

Você sabe qual é o método realizado para descobrir a intolerância?

O método mais utilizado é a medição indireta da capacidade de digestão de lactose. Para fazer este teste o paciente ingere em jejum um líquido com dose concentrada de lactose e durante duas horas obtém-se várias amostras de sangue para medir o nível de glicose, que reflete a digestão do açúcar do leite. Se a lactose não é quebrada, o nível de glicose no sangue não aumentará e, consequentemente, o diagnóstico de intolerância à lactose será confirmado.

          
            

Deixe o seu comentário!

              
            
                                                                   
                                                                                                
        
        

        
      
Cadastro de Newsletter
© 2020 - LABORCLIN - CNPJ: 76.619.113/0001-31 - Todos os Direitos Reservados